quinta-feira, 17 de maio de 2018

PROPOSTA DE REDAÇÃO ESTILO ENEM (41)


PROPOSTA DE REDAÇÃO

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “AS IMPLICAÇÕES DA BANALIZAÇÃO DA AIDS NO BRASIL HOJE”, apresentando proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

TEXTO I
AIDS: O NÚMERO DE NOVOS CASOS VOLTOU A CRESCER NO BRASIL
Por Artur Timerman

Precisamos, mais do que nunca, falar sobre AIDS. Enquanto progressos significativos têm sido feitos para eliminar infecções pelo HIV entre crianças, o número de novas contaminações entre adultos cresce. O mais recente relatório da Unaids (Programa da Organização Mundial da Saúde sobre AIDS) sobre o Brasil mostra que a prevenção do HIV precisa ser expandida urgentemente nessa faixa etária.
O Brasil foi um dos primeiros países, entre os de baixa e média renda, a fornecer tratamento gratuito para pessoas que viviam com AIDS. Isso ocorreu em 1996, graças ao Sistema Único de Saúde (SUS). Em consequência dessa política de acesso universal, o Brasil teve uma queda acentuada na taxa de mortalidade associada à AIDS. O país hoje conta com uma das maiores coberturas de tratamento antirretroviral (TARV) entre os países de média e baixa renda: mais da metade (64%) das pessoas que vivem com HIV recebe TARV, enquanto a média global em 2015 foi de 46%.
Mas o problema continua. Os dados da Unaids mostram que em 2010 cerca de 43 mil novos casos de AIDS haviam sido registrados no Brasil. Já em 2015, esse número subira para 44 mil. O país responde por mais de 40% das novas infecções por aids na América Latina, segundo a pesquisa.
O estudo revela ainda que aumentou o número de pessoas que vivem com aids no Brasil. Entre 2010 e 2015, essa população saltou de 700 000 para 830 000 pessoas. O aumento foi de 18%. Hoje, a doença é a causa de 15 000 mortes por ano no país.
Para a Unaids, os brasileiros que viram a epidemia avançar não estão se prevenindo como deveriam; ressalte-se que os jovens compõem o grupo em que se evidencia crescimento mais expressivo no número de novos casos da infecção. Coincidentemente, é o grupo no qual se constata também alarmante aumento no número de casos de sífilis, gonorreia e outras doenças sexualmente transmissíveis.
Outro dado da pesquisa demonstra um fato preocupante: apenas 55% dos brasileiros que vivem com aids hoje recebem o tratamento à base de medicamentos (lembremos, mais uma vez, que esse número era de 64% em 2015).
Esses dados ressaltam a necessidade de nos mantermos atentos. (...)


TEXTO II
As origens da AIDS
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa

No começo do século XX, os habitantes da selva africana tinham o costume de se embrenharem pela densa mata em busca da carne dos macacos. Durante a caça, muitos macacos apresentavam resistência e mordiam os seus futuros predadores. Logo que conseguiam abater um exemplar, esses caçadores colocavam o animal morto e ensanguentado em suas costas. Não raro, o sangue do primata abatido entrava em contato com as feridas daquele caçador africano.
Naquele exato instante, o SIV – um vírus que ataca o sistema imunológico dos macacos – entrava em contato com o organismo humano. Em pouco tempo, a ação desse micro-organismo dava origem ao HIV, responsável pela Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS). Nesse meio tempo, vários comerciantes de carne de macaco circulavam pelo território africano em cidades onde gastavam seu lucro com as prostitutas locais. Dessa forma, a AIDS acometia as suas primeiras vítimas.
Inicialmente, o reconhecimento da doença e sua transmissão pelo ato sexual eram completamente desconhecidos. Os relatos dos sintomas da AIDS eram comumente confundidos com algum tipo de pneumonia ou anemia profunda. Ao atingirmos a década de 1960, as várias guerras de independência no continente africano fizeram com que alguns infectados se refugiassem na Europa. A partir de então, o vírus da AIDS foi espalhado em novas regiões do planeta.
Um dos primeiros casos registrados no continente americano apareceu no Haiti, no ano de 1978. Na década de 1980, período em que a doença começou a ter maior notoriedade, as explicações para a AIDS circulavam em torno das mais variadas hipóteses. Inicialmente, alguns especialistas identificaram como uma espécie de câncer que acometia somente os homossexuais. Além disso, recomendava-se que o contato com os doentes fosse sistematicamente evitado.
Por conta da alta mortalidade, várias noções equivocadas começaram a se direcionar contra os portadores do vírus HIV. Entretanto, nas últimas décadas, novas pesquisas indicaram as formas de transmissão da doença e que qualquer pessoa – independente da sua escolha sexual – poderia ser acometida pela síndrome. Paralelamente, o desenvolvimento de potentes medicamentos ofereceu uma qualidade de vida maior para os infectados.
Ainda que tantas informações sejam disponibilizadas, vemos que a questão do preconceito e de outros mitos está ligada à doença. Em muitos casos, jovens ignoram a necessidade do uso de preservativos por saberem que os remédios podem oferecer uma vida relativamente confortável. Ao todo, estima-se que vinte e cinco milhões de pessoas tenham sido vitimadas pela doença e que outros 33 milhões sejam portadores do HIV.
Por Rainer Sousa
Mestre em História


TEXTO III




Dica de vídeo sobre a AIDS
Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=8vlVyOwz0J4. Acesso em 13/05/018.



domingo, 13 de maio de 2018

PROPOSTA DE REDAÇÃO ESTILO ENEM (40)



PROPOSTA DE REDAÇÃO ESTILO ENEM 

A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO em NORMA PADRÃO da língua portuguesa sobre o tema “AS NOVAS CONFIGURAÇÕES DE AMIZADES POR MEIO DAS REDES SOCIAIS NO SÉCULO XXI” apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa do seu ponto de vista.

TEXTO I
Trecho em destaque: Os 500 amigos do Facebook

Um viciado do Facebook gabou-se para mim de que havia feito 500 amigos em um dia. Minha resposta foi que eu vivi por 86 anos, mas não tenho 500 amigos. Eu não consegui isso. Então, provavelmente, quando ele diz "amigo", e eu digo "amigo", não queremos dizer a mesma coisa. São coisas diferentes.
Quando eu era jovem, um nunca tive o conceito de "redes". Eu tinha o conceito de laços humanos, de comunidades, esse tipo de coisa, mas não redes. Qual é a diferença entre comunidade e rede? A comunidade precede você. Você nasce numa comunidade. Por outro lado, temos a rede. O que é uma rede? Ao contrário da comunidade, a rede é feita e mantida viva por duas atividades diferentes. Uma é conectar e a outra é desconectar.
E eu acho que a atratividade do novo tipo de amizade, o tipo de amizade do Facebook, como eu a chamo, está exatamente aí. Que é tão fácil de desconectar. É fácil conectar, fazer amigos. Mas o maior atrativo é a facilidade de se desconectar. Imagine que o que você tem não são amigos online, conexões online, compartilhamento online, mas conexões off-line, conexões de verdade, face a face, corpo a corpo, olho no olho.
Então, romper relações é sempre um evento muito traumático. Você tem que encontrar desculpas, você tem que explicar, você tem que mentir com frequência e, mesmo assim, você não se sente seguro porque seu parceiro diz que você não tem direitos, que você é um porco, etc. É difícil, mas na internet é tão fácil, você só pressiona delete e pronto.
Em vez de 500 amigos, você terá 499, mas isso será apenas temporário, porque amanhã você terá outros 500... E isso mina os laços humanos. (...)
Zygmunt Bauman

TEXTO II



TEXTO III
Os brothers de carne e osso

Se para Aristóteles era impossível ter mais do que cinco amigos íntimos ao mesmo tempo, não se pode dizer o mesmo em tempos de Facebook. O pesquisador Robin Dunbar, da Universidade de Oxford, na Inglaterra, garante que o número máximo de amigos que uma pessoa pode ter é 150. E a explicação faz sentido. Para ser amigo mesmo, é preciso guardar várias informações sobre a vida do outro, além de situações compartilhadas, e o cérebro humano não é capaz de armazenar tantos dados assim.
O consultor empresarial Pietro Politi, 26 anos, tem 2.250 amigos no Facebook. E ele garante: conhece todos. “Eu não adiciono quem não conheço. Tenho que ter conversado com a pessoa pelo menos uma vez, inclusive nego alguns pedidos de gente que já encontrei várias vezes, mas nunca conheci de verdade”, conta. Pietro fez um intercâmbio no Canadá e, lá, aumentou muito sua rede — por não conseguir conversar por telefone com os amigos estrangeiros, o jeito encontrado pela turma foi se adicionar no Facebook para manter contato ou, pelo menos, contar notícias de cada um em seus respectivos países. (...)
Quem olha o Facebook de Pietro não identifica quem são esses amigos íntimos — e a maioria das pessoas que se rendeu à rede social pode dizer o mesmo. Aqueles que estão presentes na alegria e na tristeza não costumam trocar mensagens públicas. O contato é mais íntimo. “Meus amigos estão no mesmo patamar de importância que a minha família, prefiro telefonar ou mandar mensagem pelo WhatsApp”, explica.





terça-feira, 1 de maio de 2018

ATIVIDADE DE COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO GÊNERO: TEXTOS PUBLICITÁRIOS



ATIVIDADE DE COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL - GÊNERO: TEXTO PUBLICITÁRIO

CARTAZ 1


Transcrição: 
Não importa para onde você vai nessas férias. A imprudência pode mudar o seu destino.
a imprudência pode acabar suas férias. e deixar muita dor pelo caminho.
Respeite as leis de trânsito. Faça um pacto pela vida. 

01. O cartaz em análise foi divulgado com o objetivo de fazer
A) uma conscientização para não beber e dirigir.
B) um convite para não cometer imprudência nas estradas. 
C) um alerta sobre os atos imprudentes no trânsito.
D) uma crítica aos motoristas que dirigem com irresponsabilidade.

02. Neste cartaz, o uso da foto que compõe o texto não-verbal tem a função de
A) chamar a atenção do público para o fim perigoso dos relacionamentos.
B) apenas ilustrar o cartaz, demonstrando a criatividade do publicitário que criou a propaganda.
C) convencer o motorista de que dirigir em alta velocidade pode destruir as famílias.
D) alertar os motoristas sobre as mazelas que a imprudência no trânsito pode provocar.

03. Ao analisar o texto verbal do cartaz, é correto afirmar que
I. Os verbos no modo imperativo, “respeite e faça”, foram empregados para dar conselhos emocionais aos motoristas.
II. A palavra “férias” recebe acento pelo mesmo motivo que a palavra “imprudência” recebe.
III. O uso do pronome “você” é comum nos textos publicitários a fim de manter uma certa impessoalidade entre os interlocutores.
IV. Em “respeite as leis de trânsito”, o verbo utilizado está conjugado na 2ª pessoa do singular.
V. Em “E deixar muita dor pelo caminho”, a conjunção utilizada tem a função de acrescentar uma ideia à  oração anterior.

A) os itens II, IV e V são verdadeiros.
B) os itens I, III e V são verdadeiros.
C) apenas os itens II e IV são verdadeiros.
D) apenas os itens II e V são verdadeiros.

04. Ao observar a relação de sentido entre os períodos “Não importa para onde você vai nas férias. A imprudência pode mudar o seu destino”, indique a conjunção que poderia ser usada adequadamente para fazer a ligação entre as ideias, substituindo o ponto final entre os períodos.
A) PORTANTO
B) PORQUE
C) QUANDO
D) COMO

05. A frase “A imprudência pode mudar o seu destino” está na voz ativa. Ao passá-la para a voz passiva, respeitando as mudanças linguísticas necessárias e adequadas ao contexto, ela ficaria da seguinte forma:
A) A imprudência mudará o seu destino.
B) O seu destino mudará devido à impudência.
C) O seu destino pode ser mudado pela imprudência.
D) O seu destino foi mudado pela imprudência.

CARTAZ 2
Transcrição:
“AVANÇAR O SINAL PODE SER FATAL. Todas as ações do Detran são no sentido de prevenir e educar as pessoas para um trânsito cada vez mais humano, porque o mais importante é preservar a vida em sua integridade”

06. Os cartazes publicitários podem apresentar vários objetivos comunicativos, mas normalmente têm um objetivo em comum, todos pretendem convencer o seu interlocutor de alguma mensagem que desejam passar. Ao analisar a intenção comunicativa do cartaz em análise, pode-se afirmar que a função da linguagem predominante é
A) Emotiva
B) Conativa
C) Referencial
D) Metalinguística
E) Fática

07. Em cartazes publicitários, por exemplo, a ligação entre elementos da linguagem verbal e elementos da linguagem não-verbal é essencial para dar sentido à mensagem que se deseja passar para o público. No cartaz em análise, percebe-se que a ligação principal entre elementos dessa natureza está
A) entre a frase “avançar o sinal” e o sangue no sinal vermelho.
B) entre a palavra “fatal” e a faixa de pedestre.
C) entre o semáforo e os carros na avenida.
D) entre o sangue no sinal vermelho e a faixa de pedestre.
E) entre a palavra “fatal” e o sangue no sinal vermelho.

08. O cartaz em análise tem o objetivo principal de
A) conscientizar os motoristas sobre os riscos de ultrapassar o sinal vermelho.
B) alertar os pedestres sobre o perigo de não atravessar na faixa destinada a eles.
C) divulgar a importância de um serviço do Detran prestado à comunidade.
D) promover a responsabilidade de motoristas conscientes que não ultrapassam o sinal vermelho.
E) criticar o comportamento de motoristas que não respeitam a faixa de pedestres.

 CARTAZ 3

09. Ao analisar a linguagem verbal e não verbal da propaganda acima, percebe-se que se trata

A) da divulgação de um produto.
B) de uma crítica às prioridades discutidas pelos governantes.
C) de uma orientação sobre os direitos dos consumidores.
D) de uma ironia em relação aos moradores de rua.
E) de um cartaz governamental sobre problemas sociais.

10. Os sinais de pontuação são essenciais para a construção de um texto e a transmissão da ideia certa. Sobre a pontuação empregada no texto da propaganda é correto afirmar:

I. O ponto final em “Vamos.” foi empregado para dar a ideia de certeza e confirmação com relação à pergunta que foi realizada antes.
II. Na primeira frase, o ponto de interrogação foi usado simplesmente para expressar uma dúvida.
III. Na segunda frase, o ponto de interrogação foi usado para fazer uma pergunta despretensiosa.
IV. O ponto de interrogação em “Vamos?” foi empregado para transmitir a ideia de que não há muito interesse em discutir o problema dos moradores de rua.

A) Estão corretos os itens I e IV.
B) Estão corretos os itens I e II.
C) Estão corretos os itens II e III.
D) Estão corretos os itens III e IV
E) Estão corretos os itens I, II e III.



GABARITO:     01. C/ 02. D/ 03. D/ 04. B/ 05. C/ 06. B/ 07. E/08. A/ 09. B/ 10. A

sexta-feira, 13 de abril de 2018

DICAS DE REDAÇÃO (3) - INTRODUÇÃO (2)


TEMA: A IMPORTÂNCIA DOS VALORES ÉTICOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA NAÇÃO (Proposta 32 deste bolg)

"Para o filósofo espanhol contemporâneo Fernando Savater, “todos os seres humanos agem buscando sua própria felicidade e, portanto, a ética deveria ser uma ferramenta para tornar a felicidade possível para o maior número de pessoas”, isto é, partindo desse princípio defendido por Savater, entende-se que a ética é um fator essencial para a construção de uma nação que visa ao bem coletivo e não apenas a interesses mesquinhos e individualistas, como, infelizmente, constatamos no comportamento de muitos brasileiros, desde políticos a cidadãos comuns. Nessa vereda, destaca-se que a formação de valores éticos é imprescindível a todos os indivíduos que compõem uma sociedade para que ainda possa haver um resquício de esperança de se viver em um país mais justo e íntegro." (...)
Autora: Professora Suziane Brasil Coelho

Em amarelo:
v  Na primeira parte da introdução, o problema em discussão foi apresentado por meio de uma citação filosófica de Fernando Savater sobre ética, já que o tema trata da importância dos valores éticos para o desenvolvimento de uma nação. No Enem, o candidato precisa apresentar em seu texto repertório sociocultural, então uma das possibilidades é já colocá-lo na introdução de modo consistente como pode ser visto no exemplo acima.

Em verde:
v  A segunda parte da introdução corresponde, primeiramente, à explicação do repertório sociocultural utilizado, a fim de que esse repertório tenha função argumentativa dentro do texto. Em seguida, a autora já deixa transparecer a linha de pensamento que vai defender, a sua visão sobre o problema em análise.

Em azul:
v  Na continuação da opinião, observa-se a TESE, com a opinião final a ser defendida sobre o tema ao afirmar que é imprescindível a formação de valores éticos para que se possa haver esperança de se viver em um país mais justo e íntegro.

FICA A DICA:
Existem várias maneiras de se fazer uma introdução para um texto dissertativo-argumentativo. O produtor do texto terá de avaliar qual será a melhor maneira de iniciar a sua redação. Isso vai depender do tema, dos conhecimentos filosóficos, sociológicos, históricos e de mundo que o autor do comentário tenha em sua bagagem intelectual. Por isso, é importante investir em leituras diversificadas, pesquisas, documentários, filmes e obras literárias!!!!!

Link da proposta 32: https://www.blogger.com/blogger.g?blogID=3374548465953213258#editor/target=post;postID=4269771099360267008;onPublishedMenu=template;onClosedMenu=template;postNum=16;src=postname

domingo, 8 de abril de 2018

DICAS DE REDAÇÃO (2) - INTRODUÇÃO (1)

DICAS DE REDAÇÃO - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO

Uma das dificuldades que mais atinge os estudantes é justamente a produção da Introdução. Na tentativa de ajudar aqueles que estão se preparando para vestibulares, seguem algumas dicas:
  •  As introduções de texto argumentativo devem apresentar ao leitor duas informações importantes: 
ü  Qual problema será discutido no texto?
ü  (PROBLEMATIZAÇÃO)
 


ü  Qual a opinião do autor do texto sobre esse assunto?
ü  (TESE)
       

    Para apresentar o problema, podem ser usadas várias estratégias textuais. A mais básica e comum é fazer a apresentação com base na situação atual em que o referido problema se encontra. Outras maneiras também são válidas e podem conferir ao texto, além da apresentação, um repertório sociocultural, como fazer referência a um fato histórico, a um pensamento filosófico ou sociológico, a uma obra literária, entre outras.

 Seguem alguns exemplos:

Tema: Os perigos das Fake News na era da informação

Na era da informação, uma postagem na internet provoca, em segundos, uma repercussão incalculável nos usuários que estão conectados, praticamente, as 24 horas do dia, facilitando a disseminação de quaisquer conteúdos, sejam eles verdadeiros ou não. Infelizmente, essa rápida divulgação adubou o terreno midiático para que informações inverídicas repercutissem instantaneamente podendo causar prejuízos irreparáveis e, por isso, devem ser combatidas por toda a sociedade e pelos meios de comunicação oficiais.

- Em amarelo:
Ø A primeira parte da introdução corresponde à apresentação do problema, apenas com base na situação atual que envolve os perigos das Fake News na era da informação.

- Em verde:
Ø A segunda parte da introdução corresponde à opinião da autora sobre o tema em questão.

- Em azul:
Ø Na continuação da opinião, observa-se a TESE, com a opinião final a ser defendida.
·        
    Aproveitando ainda a mesma introdução, segue agora um exemplo com a utilização de um repertório histórico que está relacionado ao tema:

“Já no século VI, o historiador bizantino Procópio escreveu um livro cheio de histórias de veracidade duvidosa, denominado História Secreta, para arruinar propositalmente a reputação do imperador Justiniano. Muitos séculos depois, na era da informação, uma postagem na internet provoca, em segundos, uma repercussão incalculável nos usuários que estão conectados, praticamente, as 24 horas do dia, facilitando a disseminação de quaisquer conteúdos, sejam erles verdadeiros ou não. Essa rápida divulgação adubou o terreno midiático para que informações inverídicas repercutissem instantaneamente podendo causar prejuízos irreparáveis e, por isso, devem ser combatidas por toda a sociedade e pelos meios de comunicação oficiais”.

- Em cinza:
Ø Na primeira parte da nova introdução, observa-se a presença de um repertório histórico referente à criação de histórias de veracidade duvidosa, feitas com objetivo político de difamação, bem parecido com muitas Fake News que vemos disseminadas atualmente.
Ø Ao citar um repertório histórico, lembrar de fazer sempre a relação do fato histórico com o fato atual para que o repertório seja eficiente e produtivo.


ESPERO QUE TENHAM GOSTADO! NÃO PERCAM A CONTINUAÇÃO DESSA POSTAGEM COM OUTROS EXEMPLOS!










domingo, 1 de abril de 2018

PROPOSTA DE REDAÇÃO ESTILO ENEM (39)


PROPOSTA DE REDAÇÃO ESTILO ENEM

A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO em NORMA PADRÃO da língua portuguesa sobre o tema “O COMBATE À VIOLÊNCIA NAS GRANDES CIDADES BRASILEIRAS NO SÉCULO XXI, apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa do seu ponto de vista.

TEXTO I
Congresso aprova decreto de intervenção federal no Rio de Janeiro; entenda o que a medida significa

O Senado aprovou nos últimos minutos desta terça-feira o decreto assinado pelo presidente Michel Temer que determina a intervenção federal no Estado do Rio de Janeiro, deixando a segurança pública fluminense sob responsabilidade de um interventor militar, que responde ao presidente da República. O placar foi de 55 votos favoráveis, 13 contrários e uma abstenção.
Horas antes, na madrugada de terça-feira, a matéria havia sido chancelada pela Câmara dos Deputados. Na casa, o texto foi aprovado por 340 votos a favor e 72 contra, além de uma abstenção.
Assim, a segurança pública do Rio sai da esfera estadual e vai para a federal, com comando militar, até 31 de dezembro de 2018.
Assim como diversos Estados do país, o Rio de Janeiro vive uma crise de segurança. Episódios de violência durante o Carnaval teriam influenciado a tomada de decisão pelo governo.
A intervenção federal nos Estados está prevista na Constituição de 1988, mas nunca tinha sido aplicada até agora. Segundo o governo Temer, o objetivo da medida é "conter grave comprometimento da ordem pública", mas ainda não está definido concretamente como será essa intervenção.
"O que o cidadão poderá sentir e ter é um sistema muito mais robusto de segurança social, com coordenação mais estreita, capacidade operacional maior, inteligência bem mais integrada", declarou o ministro da Defesa, Raul Jungmann.

Disponível em http://www.bbc.com/portuguese/brasil-43079114. Acesso em 11/03/2018.

TEXTO II


                                                                                                   
 TEXTO III

Disponível em http://www.navepress.com.br/atlas-da-violencia. Acesso em 11/03/2018.

TEXTO IV
Todos se perguntam: O que podemos fazer para mudar essa situação?

A prevenção à criminalidade urbana, inclusive a violenta, só pode ter sucesso por intermédio de uma inclusão humana social, econômica e política. Não se reduz a criminalidade a níveis razoáveis unicamente por meio da lei, definindo novos fatos típicos, agravando a resposta penal e excluindo benefícios dos autores de infrações penais graves. É uma verdade secular, já vivida pelo nosso País há longos anos com enorme prejuízo à segurança pública.
A repressão à violência urbana não se faz à força, como se prendendo criminosos tivéssemos cidades limpas de péssimos indivíduos. Isso se faz, em primeiro lugar, pela educação, esperando-se resultados positivos no futuro. (...)

Disponível em http://violenciaurbanna.blogspot.com.br/2013/05/cris.html. Acesso em 11/03/2018.




sábado, 24 de março de 2018

DICAS DE REDAÇÃO (1) - ESQUEMA DE TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO


ESQUEMA DO TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO

Para começar a escrever um texto dissertativo-argumentativo, é muito importante fazer, primeiramente, uma análise do tema e depois elaborar um esquema da redação com as principais ideias que você irá desenvolver. Após a estruturação desse esquema, a escrita do texto será muito mais fácil e você correrá menos risco de fugir ao tema e de se perder nas ideias ao longo da redação. 
Segue abaixo um esquema sobre a Proposta de Redação 38 postada recentemente neste blog.

TEMA 
(O PERIGO DAS FAKE NEWS NA ERA DA INFORMAÇÃO)
TESE
(AS FAKE NEWS PASSARAM DE UM SIMPLES BOATO E SE TORNARAM UMA ARMA PARA INFLUENCIAR PENSAMENTOS E COMPORTAMENTOS)

ARGUMENTOS

ARGUMENTO 1: AS FAKE NEWS DIVULGADAS PARA INFLUENCIAR POLITICAMENTE OS USUÁRIOS DA INTERNET.
ARGUMENTO 2: AS FAKES NEWS ACIRRAM DISCURSOS DE ÓDIO, PROVOCANDO INSTABILIDADE SOCIAL. 

PROPOSTA DE INTERVENÇÃO

INTERVENÇÃO 1: O USUÁRIO DEVE VERIFICAR A VERACIDADE DAS NOTÍCIAS, PESQUISANDO EM VÁRIOS SITES E NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO MAIS CONFIÁVEIS.
INTERVENÇÃO 2: OS SITES DE REDES SOCIAIS DEVEM AMPLIAR O SERVIÇO DE VERIFICAÇÃO DE FALSAS NOTÍCIAS E, ASSIM, BLOQUEAR ESSE FENÔMENO TÃO PREJUDICIAL. 

Depois desse esquema, fica muito fácil fazer a redação.